domingo, 18 de novembro de 2012

ONILDO BARBOSA - POESIA


MUIÉ DA GOTA SERENA


MUIÉ DA GOTA SERENA
É ESSA QUE GOSTO DELA

CABÔCLA, PELE MORENA,

IGUAL CASCA DE CANELA

OS OIÁ CHEI DE COBIÇA

PERNA BEM FEITA ROLIÇA
PEITO IMPINADO PRÁ FRENTE
BOCA PEQUENA E BEM FEITA,
SUSPIRA QUANDO SE DEITA
SONHA NOS BRAÇOS DA GENTE.

MUIÉ DA GOTA SERENA
LASCA LENHHA DE MCACHADO
CARREGA AGUA DE POTE
MONTA SERCA, ABOIA GADO,
SABE CORRER VAQUEJADA
COMO CUSCUS COM COALHADA,
SARAPATEL COM FEIJÃO,
CANTA POEMAS PRA LUA,
DE NOITE SÓ DORME NUA,
MODE CHAMAR A TENÇÃO.

MUIÉ QUE AMA COM FORÇA
BEIJA, ABRAÇA E FAZ CARINHO,
CHARMOSA, CHEIA DE DENGO
PEDAÇO DE MAL CAMINHO,
TEM MEL NAS CONCHAS DOS BEIJOS
ACENDE OS NOSSOS DESEJOS,
TEM MALÍCIA NO ANDAR,
TEM HÁLITO DE MEL E MENTA,
FAZ CIÚME, É CIUMENTA,
SE ORGULHE EM SABER AMAR.

MUIÉ DA GOTA SERENA
QUE MORA NO PÉ DA SERRA
MORRE E NÃO DEIXA AS ORÍGENS
DAS COISAS DO SEU LUGAR,
PILA CAFÉ NO PILÃO,
PESCA DE ANZOL, FAZ PIRÃO,
PLANTA ROSAS NO QUINTAL,
PAAAAANHA FAVA, QUEBRA MILHO,
FAZ AMOR PRÁ FAZER FILHO,
PARE DE PARTO NORMAL.

MUIÉ MADURA, TRIGUEIRA
CHEIA DE AMOR PRA DAR,
TOMA BANHO EM CACHOEIRA
COLHE FRUTAS NO POMAR,
A PELE DELA TEM CHEIRO
DE FULÔ DE JUAZEIRO
SEIVA DE MANGERICÃO,
ESSA SEMPRE ESTÁ EM CENA
MUIÉ DA GOTA SERENA!



No planeta poeta em que vivemos


Sonho muito em deixar de ser poeta
Minha alma andarilha e inquieta,
Já cansou de romper os seus extremos,
Tenho a grande impressão , que o que temos
Já perdeu seu sabor original,
Fica apenas no mundo virtual
Todo dia essa cena se repete
O que faço não passa da internet
Nada vale pra mídia nacional.



Eu queria ver lá em jô soares,
Cordelistas , poetas cantadores ,
repentistas, fiéis aboiadores
Divulgando projetos populares
Sebastião Cirilo, Carlos Aires,
Moacir, Ivanildo, Biu Salvino,
o poeta maior: júnior Adelino,
Zé viola,Geraldo e Moacir,
E eu sentar no sofá pra assistir,
Ao mais puro elenco nordestino.

Fico triste assistindo no Faustão
Um desfile de raças de cachorro
Nosso verso ao chorar pedir socorro
Mas programa nenhum lhe dá a mão
Nossa arte criada no sertão,
Possui tantos talentos pra mostrar,
Quero vê mestre lemos declamar,
Com heleno Alexandre de sapé,
Demonstrando o cordel como ele é,
A mais rica cultura popular.

O rolando Boldrin ,não me convida
Jô soares, Datena, nem Faustão,
Cada dia me dá a impressão
Que a nossa cultura está perdida
Fico aqui neste beco sem saída
Sufocado na minha persistência
A viola, na sua resistência,
Quando toca me diz em som dolente,
Que a barreira que tem na nossa frente
É maior do que nossa inteligência.




Autor: Onildo Barbosa.


Postar um comentário