quarta-feira, 24 de abril de 2013

MEU SERIDÓ

Meu seridó tem as terras
Cercadas por grandes serras
Cortadas por longos rios
Que nos invernos pesados
Pelas cheias são mudados
Os visuais dos baixios
Mas nos verões escaldantes
As secas horripilantes
Castigam de fazer dó
Eu agradeço ao destino
Por também ser nordestino
Das bandas do seridó.
Cresci numa residência
Herança da descendência
Dos bisavós dos meus pais
Deslumbrante construção
Resistente casarão
Feito há séculos atrás
Com salas e corredores
E as redes nos armadores
Feitos de angico sem nó
Ali eu me balançava
Adormecia e sonhava
Com a paz do meu seridó.
Era uma casa rural
Pegada com um curral
Que ao lado direito tinha
Por trás do açude um engenho
E feita no mesmo desenho
Uma casa de farinha
Que em cada compartimento
Via-se o emadeiramento
Lavrado a gume de emxô
Mostrando as imitações
Das primeiras construções
Erguidas no seridó.
Lá eu brincava de graça
Com corrupio de cabaça
Amarrado num cordão
Bodoque e atiradeira
E um pião de goiabeira
Na palma da minha mão
Um cavalinho de vara
Flauta feita de taquara
E arapuca de cipó
Meus brinquedos de criança
Tombados pela lembrança
Do chão do meu seridó.
Quando as colheitas chegavam
Nossos vizinhos juntavam
Suas famílias à nossa
Catadores de algodão
Trabalhando em mutirão
Eram a festa da roça
A balança de madeira
Rangia a semana inteira
Pesando algodão mocó
Produzido na fazenda
E a maior fonte de renda
Do povo do seridó.
Na cidade abençoada
Que de jardim é chamada
Deus colocou meu destino
Lugar onde eu fui gerado
Batizado e criado
Fui bom pai e bom menino
E até os meus vinte anos
Ali morei e fiz planos
Sempre cantando forró
Na escola comercial
E no grande mangueiral
De jardim do seridó.
Quantos valentes vaqueiros
Correndo nos tabuleiros
Lá de casa eu também via
Ao som do aboio dolente
Raivoso e impaciente
O gado se reunia
Junto aos vaqueiros cansados
Com os ombros machucados
Por jurema e mororó
Aqueles heróis sem glória
Também fizeram a história
Do vale do seridó.
Só mesmo a mãe natureza
Pode dar tanta beleza
De presente ao interior
De paisagens ressequidas
Desenhadas e esculpidas
Pelas mãos do criador
Quando ao sol a mata tosta
Deixa uma vitrine exposta
Em volta de caicó
Cheia de imagens mudas
Feitas nas pedras agudas
Das serras do seridó.
Daquela terra querida
Berço e orgulho da vida
Oh que saudade sem fim
Eu saí de lá tão novo
Que não sei nem se meu povo
Ainda lembra de mim
Qual ave de arribação
Bati asa em direção
Do meu sonho e voei só
Mesmo distante do ninho
Também sou um passarinho
Do jardim do seridó.

Compositores:
Sebastião Dias e Amazan

Postar um comentário