domingo, 6 de outubro de 2013

Sebastião Marinho, A velhice é um mal sem solução


A VELHICE É MAL SEM SOLUÇÃO.

Ao nascer cada um tem uma estrada
Para nela correr durante a vida
Ao longo dos anos essa corrida
Leva todos à reta de chegada
Cadavérico no fim da caminhada
Fecha o ciclo da vida o ancião
Moribundo prostrado num colchão
Implorando a alguém que lhe ajude
Aproveita moçada a juventude
Que velhice é mal sem solução.

Minhas doces lembranças joviais
Namoricos encontros fugidios
Em lagoas barrancos e baixios
Cachoeiras cacimbas e quintais
Os perfumes de todas nunca mais
Das narinas aguças sairão
Nossos rastros intactos ficarão
Nas barrancas de rio e de açude.
Aproveita moçada a juventude
Que velhice é mal sem solução.

Todo jovem precisa aproveitar
Os momentos de áureo esplendor
Preparar se futuro promissor
Estudar divertisse e trabalhar
Ser ativo jamais desperdiçar
Cada chance que vem a sua mão
Investir para ter na profissão
êxito fama sucesso e plenitude
Aproveita moçada a juventude
Que velhice é mal sem solução.

Como jovem poeta sonhador
Fui ao ápice da fama tive glórias
Conquistei universos fiz histórias
Tive o mundo inteiro a meu favor
Fui alem do nirvana do condor
Vi do globo terrestre a dimensão
Rompi brumas beijei constelação
Das galáxias cobri a amplitude.
Aproveita moçada a juventude
Que velhice é mal sem solução.

Juventude é um jardim em flor
Ostentando matizes e perfumes
Velhice um herbário sem estrumes
Onde às flores combustas em palor
Emurchecem de vez perdendo a cor
Num processo de decomposição
Pra servirem depois da mutação
De matérias orgânicas no palude
Aproveita moçada a juventude
Que velhice é mal sem solução.

A infância o ponto de largada
Na corrida da nossa existência
Na subida fugaz da adolescência
Juventude ocupa a caminhada
Na descida da reta de chegada
A velhice assume a posição
No final da corrida os prêmios são
Sepultura mortalha e ataude
Aproveita moçada a juventude
Que velhice é mal sem solução.

De: Sebastião Marinho.

Postar um comentário