domingo, 18 de outubro de 2009

CASA DE CAMPO ( OS NONATOS)

Eu vou me mudar pra fazenda
Que a urbe que ilude, só me desilude
Com medo do trânsito do asfalto
E de assalto, sem ter quem me ajude
Eu quero uma casa de alpendre
Com bichos no pátio, com peixe no açude
Me basta Sol a céu aberto
E uma escola perto que meu filho estude

Antes que me mudem tudo
Eu mudo e tomo uma atitude
Reúno a família e me queixo
Eu deixo a cidade e não deixo
Que a minha origem mude

Numa casa de campo
Eu sonho anoitecer com lua e luz de pirilampo
Eu largo a metrópole do medo e sem medo eu acampo
Numa casa de campo, numa casa de campo

Prefiro me acordar com o galo
Que não tem relógio, mas desperta a gente
Tomar o meu leite composto
Sem gosto de água e bem quente
Na roça sepultar os grãos
E assistir o parto sem dor da semente
Com água de pote e toneis
Lavar os meu pés sentado ao batente

E a tarde nos últimos ensaios
Dos raios do sol do poente
Eu volto um milhão pra voltar
Eu quero custe o que custar
Morar novamente

Numa casa de campo
Que eu possa ligar pra os vizinhos
Sem esculta e grampo
Preciso falar com pessoas que dizem relampo
Numa casa de campo, numa casa de campo

AUTORES OS NONATOS

Postar um comentário