domingo, 6 de março de 2011

FRANK AGUIAR BIOGAFIA


FRANK AGUIAR (1)
Os chapéus de Francineto
por Dafne Sampaio


Frank Aguiar nasceu Francineto Luz de Aguiar no dia 18 de setembro de 1970 em Itainópolis, Piauí (a cidade de pouco mais de 10 mil habitantes fica a 300 km da capital Teresina). Filho de Francisco Hilário de Aguiar e Zulmira Maria da Luz, Frank mostrou interesse por música ainda criança e aos 6 anos ganhou uma sanfona. A partir daí começou a participar de serestas, concursos de música e pequenos shows em restaurantes, bares e festas de debutante em sua cidade e na região. O artista-mirim entrou na adolescência neste mesmo pique, mas um pouco antes de completar 18 anos Frank Aguiar decidiu se mudar para a Teresina para fazer faculdade. Os pais queriam um médico ou um advogado, qualquer coisa assim, mas o jovem Frank queria outra coisa e entrou no curso de Música da Universidade Federal do Piauí.


Passou um ano, dois anos e Frank viu que os caminhos acadêmicos, muito mais voltados à música erudita, eram muito diferente dos seus. Ao mesmo tempo já corria o Piauí e estados vizinhos com seu forró (feito agora com o auxílio de teclados, mas sempre inspirado no ídolo-maior Luiz Gonzaga). Em 1992 tomou uma decisão arriscada: trancou o curso e pegou o ônibus, pouco mais de dois dias de viagem, para São Paulo. No mesmo ano gravou seu primeiro disco, Tudo por amor (independente, 1992), vendido diretamente nas bancas dos camelôs do centro de São Paulo.


De show em show e de disco em disco, o independente Frank Aguiar foi criando seu público e definindo a sonoridade do que passou a ser conhecido como “forró eletrônico”. Nesse começo de carreira Frank era conhecido como “Príncipe dos Teclados” e assim gravou os discos Volte outra vez (Sabor Brasil, 1993), Tempos de viagem (Gotas de Cristal, 1995) e Um show de forró (FA Music, 1996). Este último lhe rendeu um surpreendente Disco de Ouro. Nos anos seguintes lançou pelo selo SomZoom Stúdio os discos Um show ao vivo - Só forró (1997), Um show de forró vol. 2 (1998) e Um show de forró vol. 3 (1998), o que lhe garantiu novas vendagens superiores a 1 milhão de cópias.


O sucesso popular de Frank Aguiar não passou desapercebido pelos olheiros de outras gravadoras e Frank Aguiar foi chamado em 1998 para fazer parte do elenco da primeira grande gravadora nacional, a Abril Music. Nesta época o músico já era conhecido como o “Cãozinho dos Teclados” pelo grito característico que passou a soltar durante os shows. Sua estréia na Abril Music aconteceu com o disco Um show de forró vol. 4 (1999), mais um sucesso em sua carreira, agora apoiado por um forte esquema de marketing. Os milhões de cópias vendidas se repetiram com Um show de forró vol. 5 (Abril Music, 2000) que trouxe interpretações para “Morango do Nordeste” (Walter de Afogados e Fernando Alves) e “Anna Júlia” (Marcelo Camelo). Na época dizia-se que Frank Aguiar era um dos artistas que sustentava a Abril Music e possibilitava a gravação de artistas de prestígio da MPB.


A relação com sua nova gravadora continuou às mil maravilhas com Frank Aguiar vol. 6 (Abril Music, 2000) e sucessos como “Esperando na janela” (Targino Gondim, Manuca e Raimundinho do Acordeom), “Morena brasileira” (Frank Aguiar e Luisinho de Irauçuba), “O xote das meninas” (Luis Gonzaga e Zé Dantas) e “Melô do pitbull” (Frank Aguiar e Luisinho de Irauçuba). Em 2001, Frank Aguiar recebeu os títulos de Cidadão Honorário de Santo André e São Bernardo do Campo, cidade que mora desde que chegou do Piauí, e lançou mais um disco de sucesso, Minha prenda vol. 7 (Abril Music, 2001). Neste disco gravou, entre outras, “Chegou a hora” (Frank Aguiar e Tânia Mara), “Neguinha boa (A boa e o trouxa)” (Luis Vagner), “Mulher de fases” (Rodolfo e Digão) e “Amor I love you” (Marisa Monte e Carlinhos Brown). Pouco antes do sonho megalômano e mal gerido da Abril Music ruir, Frank Aguiar lançou seu último trabalho pela gravadora, Frank Aguiar vol. 8 (Abril Music, 2002). De volta ao mundo independente, o Cãozinho gravou e lançou dois discos no mesmo ano, Nota 10 (FA Music, 2003) e Auuu! Vivo (FA Music, 2003).


A carreira seguia movimentada, com direito a turnês pelos Estados Unidos e Japão, e Frank nem se deu conta de que tinha completado dez anos de carreira (levando-se em conta seu primeiro CD em 1992). A comemoração só ganhou registro discográfico quando o artista já estava com 12 anos, mas acabou marcando também sua volta a uma grande gravadora (o disco se chamou, obviamente, 10 anos, e saiu em 2004 pela Sony Music). No mesmo ano recebeu o título de Cidadão Paulistano. Em 2005, Frank Aguiar saiu da Sony para entrar na EMI e de cara lançou três discos: um de estúdio, Coração, e dois ao vivo, 10 Anos vol. 1 e 10 anos vol. 2; sendo que este ao vivo saiu também em versão DVD, o primeiro do artista piauiense. Em março de 2005 se formou em Direito pela Universidade Paulista (UNIP).


O ano de 2006 foi muito intenso para Frank Aguiar. Logo em fevereiro foi figura de destaque no desfile da Escola de Samba Tom Maior, em São Paulo, cujo samba-enredo foi uma homenagem ao Piauí. No mesmo ano lançou o disco Sou brasileiro (FA Music), que trouxe o sucesso “Vou te excluir do meu Orkut” (Ewerton Assunção), e foi eleito por 144.797 votos para o cargo de Deputado Federal pelo Estado de São Paulo (o artista é filiado ao PTB desde 2005, mas já integrou as fileiras do PSDB, entre 1992 e 2005). Pouco antes de assumir seu mandato em janeiro de 2007, o músico gravou um novo disco, Frank Aguiar interpreta grandes sucessos (EMI Music), cujo repertório trouxe Reginaldo Rossi, Peninha, Alceu Valença, Márcio Greyck, Fernando Mendes, Dalto e Paralamas do Sucesso, além de duas inéditas (“Tô chegando” e “Cicatriz”).
Postar um comentário