quinta-feira, 2 de junho de 2011

POETA JÚNIOR ADELINO

POETA CANTE A SAUDADE
QUE EU ESTOU SENTINDO AGORA
PORQUE ELA FOI EMBORA
SEM ME DIZER A VERDADE
POETA POR CARIDADE
PEÇA A ELA PRA VOLTAR
QUE SEM ELA O NOSSO LAR
DE AMOR FICA FAMINTO
POETA CANTE O QUE EU SINTO
QUE EU SINTO E NÃO SEI CANTAR.

POETA DESCREVA AGORA
MINHA ANGUSTIA E MINHA ÂNSIA
POR SABER QUE MINHA INFÂNCIA
AOS POUCOS ESTÁ INDO EMBORA
PEÇA PRA O TEMPO E A HORA
PRA O PASSADO RETORNAR
PRA EU REVER O LUGAR
ONDE FICA O MEU RECINTO
POETA CANTE O QUE EU SINTO
QUE EU SINTO E NÃO SEI CANTAR.

VOCÊ COM SUA VIOLA
CANTE UM REPENTE PRECISO
FALANDO DE IMPROVISO
DOS MEUS TEMPOS DE ESCOLA
DO MEU LIVRO E DA SACOLA
E DO QUADRO DE DESENHAR
MILHO VERDE E MUCUNZÁ
E GALINHA CRIANDO PINTO
POETA CANTE O QUE EU SINTO
QUE EU SINTO E NÃO SEI CANTAR.

FALE DA NOSSA CULTURA
DE BAIÃO,XOTE E FORRÓ
DO CALDO DE MOCOTÓ
DA FARINHA E A RAPADURA
DA NOSSA LITERATURA
DO COQUISTA COM O GANZÁ
E NÃO ESQUEÇA DE CITAR
O MESTRE SEVERINO PINTO
POETA CANTE O QUE EU SINTO
QUE EU SINTO E NÃO SEI CANTAR.

AUTOR: JÚNIOR
Postar um comentário