sábado, 25 de maio de 2013

OLINDA PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE




Olinda - (Patrimônio da Humanidade) – Pernambuco/BRA
O povoado de Olinda foi fundado em 1535 por Duarte Coelho Pereira, sendo elevado a vila em 12 de março de 1537. Olinda era sede da Capitania de Pernambuco, mas foi incendiada pelos holandeses que transferiram a sede para o Recife. Em 1637 foi elevada à categoria de cidade, voltando a ser capital de Pernambuco em 1654 quando os portugueses retomaram o poder e expulsaram os holandeses. Em 1837, perde de vez o título de capital para o Recife.
Além de sua beleza natural, Olinda é também um dos mais importantes centros culturais do país. Declarada, em 1982, Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela UNESCO, Olinda revive o esplendor do passado todos os anos durante o Carnaval, ao som do frevo, do maracatu e outros ritmos irresistíveis. Dona do maior carnaval do mundo, as ladeiras de Olinda enchem-se de fantasias e cores durante os quatro dias de folia. A brincadeira é acompanhar as troças carnavalescas, clubes de frevo, maracatus, afoxés, bonecos gigantes e qualquer outro batuque que por ali passar. O que vale é participar da festa.
Com o título de Patrimônio Mundial da Humanidade e berço da cultura brasileira, Olinda é pura beleza e arte nas ruas de seu sítio histórico, inspiração para vários artistas plásticos que escolheram a cidade para montarem ateliês, galerias e museus. Foi a primeira capital de Pernambuco e deve ser também um dos primeiros lugares a serem visitados quando se chega ao Estado. Enfeitada por igrejas, seminários e casarios, a cidade atrai visitantes de todas as partes do mundo. Quem chega a Olinda se encanta.
Os guias mirins são ótimas companhias para conhecer Olinda. Explicam de forma rimada e muito engraçada toda a história da cidade. Com eles, poderá se conhecer os Mercados da Ribeira, do Varadouro, o Mirante do Alto da Sé, o Seminário, Igrejas, o Museu de Arte Sacra... entre outras construções que levam o visitante ao passado. O circuito das igrejas também merece um destaque especial. Existem inúmeras delas, dedicadas aos mais diferentes santos, além dos nichos espalhados pela cidade, que contam a trajetória de Jesus até o calvário.
Em Olinda, o carnaval começa uma semana antes da data oficial. A cidade efervesce, despontando nas ruas centenas de agremiações, desfilando ao som frenético do frevo. O povo desce e sobe ladeiras num entusiasmo contagiante, atrás dos tradicionais bonecos gigantes. Enfim, há de tudo para ver, sentir, participar. A irreverência, criatividade e alegria tornaram o carnaval de Olinda um dos mais famosos do mundo. Anualmente milhares de foliões chegam de todas as partes para desfrutar da beleza do carnaval que acontece dia e noite nas estreitas e ladeirosas ruas da cidade tombada pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade. Uma das marcas do carnaval olindense são os bonecos gigantes que arrastam milhares de foliões ao som do frevo. Além deles, mais de 500 agremiações, registradas oficialmente, alegram a cidade durante o carnaval. Na verdade, este número é bem maior já que todos que brincam em Olinda se fantasiam e criam seus próprios blocos.
Em Olinda se tem “Frevo”, música genuinamente pernambucana do fim do século 19, acredita-se que sua origem vem das bandas de música, dobrados e polcas. Segundo alguns é a única composição popular no mundo onde a música nasce com a orquestração. Os passos da dança simbolizam uma mistura de danças de salão da Europa, incluindo passos de ballet e passos dos cossacos.
Hoje, parada no tempo, a cidade de Olinda inspira e abriga dezenas de artistas que não cansam de retratar tudo o que vêem ao redor. A Rua do Amparo é o endereço da maioria deles e também o mais belo conjunto arquitetônico do período colonial. Os casarões estão sendo restaurados e adaptados para abrigar bares, restaurantes, pousadas e espaços culturais. Será uma nova atração. Mas continuará sendo apenas e sempre a mesma e bela Olinda.
No Alto da Sé ficam a praça de artesanato, o Museu de Arte Sacra de Pernambuco e os ângulos mais bonitos para quem quer tirar belas fotografias. Pode-se também comer tapioca quentinha de uma das barracas do Alto da Sé, em frente à Igreja, apreciando a vista panorâmica de Recife. E não são poucos os visitantes. Na verdade, todo turista que vai ao Recife deveria ir à Olinda. Mesmo se estivesse distante da capital, seu casario colonial mereceria ser visitado. Mas Olinda é quase um bairro do Recife, está apenas à 6 km, e nessa situação, torna-se um passeio indispensável para qualquer viajante.
A arquitetura colonial portuguesa se faz presente de forma notável em Olinda. Igrejas, conventos, mosteiros, imponentes sobrados e senhoriais casarões. Neles, podem ser observados beirais de três águas, asas de andorinhas, janelas de guilhotinas e preciosas fachadas recobertas de azulejos de grande beleza.
A influência das culturas que aqui estiveram; africana, indígena e européia, Olinda dos muitos temperos, uma gastronomia rica e exótica, baseada nos seus produtos naturais: mandioca, frutos do mar, côco, frutas, folhas e raízes. Os excelentes restaurantes de nível internacional ou em descontraídos barzinhos, com frequência de jovens e preços populares. Destaca-se em especial a exótica tapioca, feita na hora, o queijo de coalho assado, os biscoitos e licores artesanais, produzidos nos conventos e mosteiros seculares. Fria ou quente, doce ou salgada, Olinda possui o sabor do que a de melhor na cultura gastronômica regional. A população de Olinda é   
de 391.433 de habitantes, ocupa a 3ª posição de cidade mais populosa no estado de PE. Você faz Olinda!




Olinda - (Patrimônio da Humanidade) – Pernambuco/BRA
Um mito popular diz que o nome Olinda teria a sua origem numa suposta exclamação do fidalgo português Duarte Coelho, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco: "Oh, linda situação para se construir uma vila!”
O povoado de Olinda foi fundado em 1535 por Duarte Coelho Pereira, e está à 6 Km de Recife. Em 1637 foi elevada à categoria de cidade, voltando a ser capital de Pernambuco em 1654 quando os portugueses retomaram o poder e expulsaram os holandeses. Em 1837, perde de vez o título de capital para o Recife.





Olinda - Patrimônio da Humanidade e sua Arquitetura.

Um mito popular diz que o nome Olinda teria a sua origem numa suposta exclamação do fidalgo português Duarte Coelho, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco: "Oh, linda situação para se construir uma vila!”
O povoado de Olinda foi fundado em 1535 por Duarte Coelho Pereira, e está à 6 Km de Recife. Em 1637 foi elevada à categoria de cidade, voltando a ser capital de Pernambuco em 1654 quando os portugueses retomaram o poder e expulsaram os holandeses. Em 1837, perde de vez o título de capital para o Recife.



Praia dos Milagres:
A Praia dos Milagres não é indicada para banhistas, pois tem correntezas fortes e mar agitado, além de ser a praia preferida dos tubarões. Milagres possui um pequeno calçadão às margens da antiga Igreja Santa Cruz dos Milagres, construída em 1862. No local ainda é possível admirar a vista para o Porto do Recife.
Localizada no início do município de Olinda, a Praia dos Milagres é a segunda orla da cidade tombada Patrimônio Histórico da Humanidade. Com apenas uma faixa de areia estreita na maré baixa, a Praia dos Milagres não possui estrutura propícia para o banho de mar, devido aos diques artificiais instalados na região, além dos pequenos barcos e jangadas ancorados no local.
Um mito popular diz que o nome Olinda teria a sua origem numa suposta exclamação do fidalgo português Duarte Coelho, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco: "Oh, linda situação para se construir uma vila!”
O povoado de Olinda foi fundado em 1535 por Duarte Coelho Pereira, e está à 6 Km de Recife. Em 1637 foi elevada à categoria de cidade, voltando a ser capital de Pernambuco em 1654 quando os portugueses retomaram o poder e expulsaram os holandeses. Em 1837, perde de vez o título de capital para o Recife.




Olinda - Patrimônio da Humanidade e sua Arquitetura.

Um mito popular diz que o nome Olinda teria a sua origem numa suposta exclamação do fidalgo português Duarte Coelho, primeiro donatário da Capitania de Pernambuco: "Oh, linda situação para se construir uma vila!”
O povoado de Olinda foi fundado em 1535 por Duarte Coelho Pereira, e está à 6 Km de Recife. Em 1637 foi elevada à categoria de cidade, voltando a ser capital de Pernambuco em 1654 quando os portugueses retomaram o poder e expulsaram os holandeses. Em 1837, perde de vez o título de capital para o Recife.






Olinda  uma cidade linda!!! pra você ver muito mais do que eu postei aqui porque é muita coisa bonita pra se ver 
visite essa pagina você vai se encantar com tanta beleza!!!


http://www.flickr.com/photos/jcassiano/sets/72157625799844239/

Postar um comentário