sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Cícero Cosme: o Poeta-artesão do repente aurorense!




05/09/2014

Cícero Cosme: o Poeta-artesão do repente aurorense!


Talento precoce, pérola rara da cantoria aurorense...
Talento precoce, pérola rara da cantoria aurorense... Estes têm sido apenas alguns dos adjetivos com que se tem tentado exprimir todo o potencial emergente do mais recente cantador e violeiro que ora já se junta à excelsa galeria de repentistas d’Aurora. Trata-se do jovem poeta-repentista-violeiro, Cícero Cosme de apenas 16 anos.
Desconhecido por muitos, porém admirado desde já, pelos poucos que conseguem enxergar na arte um instrumento de transformação social e de embelezamento estético da vida e do próprio mundo; o poeta Cícero Cosme inicia assim sua caminhada artística com a intrepidez de alguém que se doa de corpo e alma, apaixonadamente a uma causa nobre – a poesia, tal qual o deslumbramento de quem experimenta a sui generis sensação de se enxergar o mar infinito pela primeira vez na vida. Tamanho é o seu devotamento e dedicação à cantoria.
Mesmo tendo despertado para a lida poética há pouco mais de um ano este poeta novel da viola aurorense se diz quase um discípulo de outro vate de renome da ribeira do Salgado – o poeta Ismael Pereira. A aventura dos seus primeiros improvisos aconteceu em meados de 2005 por ocasião de um evento escolar promovido pelo educandário em cujo mesmo está concluindo o 3º ano do ensino médio. Sua história está apenas começando quase como a composição de uma sextilha libertária construída verso a verso na ponta da língua.
Após ganhar de presente de um empresário local a sua primeira viola ano passado, Cícero Cosme não mais parou de cantar, tendo já participado de alguns dos mais importantes acontecimentos culturais do seu município, tais como: 1º Folclorart, 1ª Conferência de Cultura, Semana Cultura do colégio Monsenhor Vicente Bezerra, Fórum Comunitário do Selo Unicef-2006, movimento Secult-itinerante, do X Festival de Repentistas Populares do Calumbí entre outros.
Filho do Sr. Cícero Gomes de Sousa e da Srª Tereza Freire da Silva, o poeta que na pia batismal recebeu o nome de Cícero Cosme Freire da Silva, já ousa voar mais alto nas asas da sua própria inspiração, quando almeja a gravação do seu primeiro CD e com este desiderato já começara a compor os seus primeiro versos e canções. Contudo, mesmo se tratando de um neófito estreante no mundo da poesia, o jovem violeiro residente no bairro Araçá já experimentou montar parcerias com alguns cantadores de longa estrada, a exemplo de Antonio Henrique, Sílvio Granjeiro, Nelinho do repente, Chico Ball, Joãozinho Leite e Ismael Pereira só para citar alguns.
A repentina notoriedade do seu talento já começa a gerar os primeiros frutos, ao passo que pouco a pouco vem sendo requisitado para se apresentar nos mais diferentes acontecimentos da vida cultural de Aurora e região do Salgado, como também para eventos públicos e escolares. Sem esquecer as tradicionais “cantorias” que há muito têm alegrado as noites sertanejas, tanto da cidade quanto dos mais afastados grotões do Cariri cearense. Tendo tomando gosto pela arte do improviso do verso rimado, Cícero Cosme já participa inclusive do programa “Canção, viola e poesia” na rádio Vale do Salgado-AM de Lavras da Mangabeira (todas as quintas-feiras a partir das 15h) fazendo dupla com o seu conterrâneo Antonio Henrique, outro cantador de renome que há mais de duas décadas tem feito da viola a sua profissão.

Não obstante os elogios, o poeta em questão se ressente de um certo isolamento em que estão submetidos quase sistematicamente todos os artistas da viola; razão pela qual reivindica da sociedade e dos poderes constituídos de um modo geral, um pouco mais de apoio como forma de fortalecer a cultura com todos os seus valores tradicionais.
Com Cícero Cosme, o futuro do repentismo aurorense, enquanto autêntica manifestação da nossa cultura popular tradicional, está absolutamente garantido. E mais que isso: em boas mãos. Cícero Cosme é, portanto, mais que uma simples promessa. Ele é seguramente, acima de qualquer suspeita, um poeta-violeiro que bem poder-se-ia denominar, resguardadas as devidas proporções, de o Ivanildo Vila-Nova mirim do neocancioneiro popular de Aurora.
O mais novo, promissor e genial artesão do repente interiorano. Então; vida longa a poesia em todas as suas vertentes genealógicas. Já que, sem poeta e poesia o mundo não teria a menor graça... Afinal de contas, é a sua permanência quem possibilita que o fardo da vida não nos seja tão pesado.

Prof. José Cícero
Poeta e escritor -Aurora-CE.


Fonte:  http://www.aurora.ce.gov.br/
Postar um comentário