quinta-feira, 5 de novembro de 2009

ANTÔNIO ALVES DE OLIVEIRA POETA







POEMA MULHER DE VIDA FÁCIL


AUTOR: ANTONIO ALVES DE OLIVEIRA (IGUATU/JUCÁS-CE)

VIDA TRISTE DA POBRE MERETRIZ

SALONISTA DAS CASAS INDECENTES

DISTRAIDA ATRAVÉS DE INTORPECENTES

P´RA FAZER TUDO O QUANTO ELA NÃO QUÍZ

QUANDO ARRANJA UM AMOR É INFELIZ

QUE É NASCIDA DE FARRA E BEBEDEIRA

DISTRAÍDA NAQUELA BRINCADEIRA

ESQUECE VIDA DE PAZ E DE VIRTUDE

PERDE A CALMA, O SONO E A SAÚDE

EMBRIAGADA NA FARRA A NOITE INTEIRA

A MULHER QUANDO É NOVA SE INVAIDECE

COM AMORES, COM TRAJES E PERFUMES

ILUDE ALGUÉM COM OLHARES E CIUMES

COM ABRAÇO E COM BEIJO QUE APARECE

NO MAIS FRACO AMBIENTE COMPARECE

SE DIVERTE EM BRINQUEDO, FARRA E DANÇA

SE ENVOLVE NO ÓDIO E NA VINGANÇA

COM PRAZER FAZ TRAIÇÃO E FALSIDADE

QUANDO CAI NO FRACASSO DA IDADE

SÓ MISÉRIA LHE CHEGA DE HERANÇA

A MUNDANA ACEITA CABARÉ

COMO LAR DE REPOUSO E RESIDENCIA

NÃO ACREDITA NA SANTA PROVIDÊNCIA

E NEM SABE UMA IGREJA COMO É

É PAUPÉRRIMA DEMAIS A SUA FÉ

NÃO ENTENDE O QUE É A LITURGIA

DESRESPEITA O PADRE, A SACRISTIA

IGNORA UM ANCIÃO QUE ESTÁ REZANDO

E SÓ SE LEMBRA QUE DEUS EXISTE QUANDO

DESGARRADA, SEM NADA, VER-SE UM DIA

QUANDO É NOVA A MULHER PENSA SER NOBRE

METIDA EM LUXO SE JOGA EM BEBEDEIRA

E SÓ DEPOIS DE TODA ESSA BAGACEIRA

É QUE SE LEMBRA QUE A CARNE É SUJA E POBRE

ALUCINADA ESTRAGA O ÚLTIMO COBRE

INVETERADA NUM COPO DE BEBIDA

SE CAMINHA NA RUA É DISTRAÍDA

EM SUA CASA LHE FALTA O PRÓPRIO PÃO

SE TRANSPORTA ESCORADA NUM BALCÃO

E SE ALIMENTA COM SOBRA DE COMIDA








A MULHER QUE NÃO PENSA FAZ SEU SHOW

BEBENDO DOSE EM TODO BOTEQUIM

POR GOZAÇÃO PEDE A BEBIDA MAIS RUIM

E P´RA BEBER SE ESCORA EM BENGALÔ

SEU PRAZER É ESTÁ COM GIGOLÔ

MAIS DEPOIS DA MOCIDADE VENCIDA

SE TORNA FEIA, DOENTE , ABORRECIDA

QUE A VELHICE APAGA SEUS DESEJOS

SEM AFAGO, CARINHO, ABRAÇO E BEIJOS

SOLITÁRIA TERMINA A TRISTE VIDA

A MUNDANA VER NA SOCIEDADE

FOTOCÓPIA DO CORPO DO ORGULHO

SEM LEMBRAR QUE DEPOIS VAI DAR MERGULHO

NA CACIMBA BARRENTA DA IDADE

QUANDO PERDE O PRAZER DA VAIDADE

E POR CERTO IMBECIL, INCULTO, GAMA

EM MÃOS FRÁGEIS TERMINA SEU PROGRAMA

QUE A MORTE DE VIR NÃO ESQUECE A DATA

A TERRA COME A MATÉRIA PUTREFATA

QUE DE PÚS VIRA PÓ, VASCULHO E LAMA

A MUNDANA SE FINGE TER AMOR

A UM HOMEM QUE TEM CAPACIDADE

MÁS POR CAUSA, SÒMENTE, DA IDADE

COMEÇA TRAÍ-LO NO SETOR

DEIXA UM HOMEM QUE É TRABALHADOR

PARA ÍR DEBRUÇAR-SE NA JANELA

ESCUTAR UM “ COIÓ “ QUE VEM P´RA ELA

MUITAS VÊZES DE UM “ GIGA” VAGABUNDO

ELA PENSA ENGANAR A TODO MUNDO

E O ENGANO RECAI POR CIMA DELA

Amigo agradeço se vc publicar.

Um abraço!

Postar um comentário